quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

9 hábitos para aprender com pessoas felizes

O que é felicidade? Perguntinha difícil, né?! Uns dizem que a felicidade plena não existe, é um conceito inventado e inalcançável. Outros dizem que a felicidade é a própria procura pela felicidade, o caminho para chegar nela. Independente do seu significado e da dificuldade de definir o que ela é, nada melhor do que se sentir feliz.
Hoje, o Incrível.club traz alguns hábitos de pessoas que sabem aproveitar a vida. Talvez seja um bom começo para que você se sinta mais feliz :)

1. Pessoas felizes fomentam relações estáveis

Pesquisadores comprovaram que, após os 70 anos, as pessoas mais felizes são aquelas que durante toda a vida valorizaram o relacionamento com os outros e fizeram o possível para fortalecer cada vez mais o vínculo com as pessoas queridas.

2. Dão mais valor ao tempo que ao dinheiro

Durante uma pesquisa, foi descoberto que a maioria das pessoas felizes preferiria ter mais tempo que dinheiro. Isto apenas comprova a ideia de que as pessoas que priorizam o tempo em relação a aspectos materiais sentem mais alegria de viver.

3. Planejam os gastos de acordo com suas possibilidades

A incapacidade de pagar as contas é uma situação muito estressante. Por isso, pesquisadores recomendam avaliar objetivamente o quanto você ganha e o quanto você gasta, e ficar alerta para as coisas que ainda não pode se permitir.

4. Pessoas felizes percebem a beleza à sua volta

Pesquisadores ressaltam que as pessoas que prestam mais atenção nos detalhes, ou simplesmente notam que há coisas belas à sua volta, se sentem melhores com elas mesmas e são, portanto, mais felizes.

5. Passam muito tempo com seus amigos

Passar tempo com os amigos deixa qualquer pessoa mais feliz. Se os amigos também são pessoas que curtem a vida, a alegria é compartilhada e, portanto, muito mais intensa.

6. Cuidam das pessoas amadas e as aceitam como elas são

Psicólogos destacam que as pessoas bondosas são mais felizes que as pessoas egoístas.

7. Gastam dinheiro com experiências, não com objetos

Gastar dinheiro com experiências, e não com objetos é uma tendência recente. Ainda que comprar ou ganhar um objeto desejado nos deixa muito felizes, o sentimento de euforia pela aquisição é mais efêmero que a alegria de uma viagem ou outro tipo de vivência.

8. Praticam esporte regularmente

Está comprovado: fazer exercícios físicos ajuda a combater problemas psicológicos e a lidar com situações estressantes. Além disso, pesquisas mostraram que a atividade física está diretamente relacionada com o sentimento de felicidade.

9. Sabem estar aqui e agora

Algumas pesquisas mostraram que pessoas que praticam meditação, vivem os acontecimentos e sabem valorizar cada instante são muito mais felizes que as outras.


terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Como os “Ws” podem tornar pessoas mais felizes

Em meio a tanta diversidade entre os sete bilhões de habitantes do planeta, existe algo que parece ser comum para toda essa multidão de pessoas: “O desejo de ser feliz”.

Mas, a questão é: “Por que apenas alguns conseguem alcançar esse objetivo comum chamado felicidade”?

Filósofos, psicólogos e demais pensadores sobre o assunto chegam a diferentes conclusões e apontam diferentes caminhos.

Particularmente, tenho visto que as pessoas que usam os “Ws”, metodológica ou intuitivamente, costumam ter mais sucesso no que se refere a ser feliz.

A origem dos Ws, tal como conhecemos hoje, remonta à Grécia Antiga nas ideias dos filósofos Aristóteles e Hermágoras sobre as sete perguntas que deveriam ser feitas para se ampliar a compreensão de qualquer problema ou situação.

Na tradução para o inglês, as sete perguntas deram origem aos Ws: What (o que / qual), When (quando), Who (quem), Why (por que), Where (onde), in What manner – How (De que maneira – Como), by What means (com que recursos).

Convido você a refletir sobre como essas perguntas podem ser decisivas para sermos felizes e como usá-las da melhor forma…

Para sermos felizes, precisamos responder ao primeiro, e mais importante “W” – Why – Por quê. Por que estamos aqui? Em meio a sete bilhões de pessoas, por que (ou para que) eu existo? Qual a razão de minha existência?

Mergulhar em si mesmo e ser capaz de responder a essa pergunta é encontrar e definir a missão ou propósito de vida.

Atingir essa compreensão é tão importante que, se tivermos uma resposta segura e convincente para essa primeira questão, já teremos dado um passo gigantesco e decisivo para a felicidade.

A segunda pergunta, ou “W”, é What – Qual. Quais são os meus valores? Quais são as coisas pelas quais eu estou realmente disposto a lutar? O que é importante para mim.

Junto com o propósito de vida, os valores são capazes de nortear todas as nossas escolhas e decisões.

A próxima pergunta é Who – Quem. Quem é realmente importante para mim? Quais são as pessoas que dão significado à minha vida?

Responder a essa pergunta nos permite analisar se estamos usando um recurso essencial chamado “tempo” para aquilo que realmente importa. É essa resposta que permite avaliar se estamos priorizando os relacionamentos ou se estamos correndo atrás de coisas ilusórias que nos distanciam da nossa essência.

Depois respondemos ao Where – Onde. Onde posso utilizar todo o meu potencial? Que tipo de atividade social ou profissional me permite explorar os meus dons e talentos na máxima potencialidade?

Essa resposta nos ajuda a pensar em que tipo de trabalho poderemos nos realizar. Enfim, ajuda também a pensar se é melhor continuar levando o mesmo tipo de vida ou se é melhor mudar de direção e começar a caminhar na direção dos próprios sonhos.

Vale lembrar que alguém que tenha o hábito de se fazer as perguntas anteriores – “Why”, “What” e “Who” – dificilmente terá dificuldades em responder sobre o “Where”.

Mas, caso a pessoa nunca tenha respondido às perguntas anteriores, é possível, e é provável, que tenha muita dificuldade e até uma certa angústia de avaliar se hoje está no lugar certo.

A seguir vem o What manner / How – Como. Como eu posso ser feliz? Quais são as escolhas, mudanças, atitudes e ações que vão me fazer feliz?

Aqui é o plano de ação para a felicidade.

E, por fim, vem o último W, o When – Quando. Quando vou me comprometer comigo mesmo e dar o primeiro passo na busca da minha felicidade? Quando vou fazer a mudança que precisa ser feita? Até quando vou me permitir viver sem buscar a minha missão, sem lutar pelos meus valores, sem priorizar as pessoas que são importantes para mim, sem fazer aquilo que eu não gosto?

Para alguns, estabelecer um prazo para mudar e ser feliz pode ser difícil. Mas, sem dúvida, é a forma mais assertiva e eficaz de assumirmos um compromisso com a nossa felicidade.

Depois disso, faça aquilo que, apesar de não parecer, é bastante simples: “seja feliz”!


segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Qual o seu tipo de inteligência?

Todos nós temos inteligências múltiplas em diferentes intensidades e variações.

Dentre as teorias acerca da inteligência, existe o estudo do psicólogo Howard Gardner, que apresenta uma visão pluralista da mente. Gardner relaciona inicialmente sete inteligências.
Que tal descobrir qual ou quais são as suas?

1. Lógico-matemática
Relacionada à habilidade em matemática, operações que envolvam cálculos e abstração. Predominante em matemáticos, engenheiros, cientistas, etc.

2. Linguística

Relacionada ao domínio da linguagem verbal. Bastante expressiva nos autores, escritores e poetas.

3. Espacial

Relacionada à capacidade de orientar-se espacialmente e expressar graficamente as ideias visuais. Predominante em arquitetos, decoradores, escultores e pintores, por exemplo.

4. Musical

Relaciona à capacidade de utilizar a música como veículo de expressão. Predominante, principalmente, em maestros e instrumentistas.

5. Corporal-cinestésica

Relacionada ao domínio dos movimentos do corpo. Habilidade para utilizar o corpo como meio de expressão. Predominante em dançarinos, atletas, artistas, etc.
6. Interpessoal
Capacidade de se relacionar com as outras pessoas compreendendo os sentimentos e as necessidades alheias. Encontra-se mais desenvolvida em professores, terapeutas, líderes religiosos, etc.

7. Intrapessoal

Capacidade de se autoconhecer, de ter conhecimento das próprias potencialidades, e utilizá-las para viver uma vida mais plena.
Gardner informa que TODAS as inteligências são importantes e têm iguais prioridades, embora nossa sociedade coloque as inteligências linguística e lógico-matemática como as mais valorizadas.
Acrescenta ainda que, além das sete, existe a inteligência naturalista, que é a sensibilidade para interagir com a natureza, como fazem os biólogos, ambientalistas, etc. E outra, que seria a nona, considerada inteligência existencial, voltada para questionamentos filosóficos e religiosos.
Segundo o psicólogo, essas são as inteligências múltiplas evidenciando o pluralismo do intelecto. Portanto, se você é uma pessoa com baixo grau de inteligência lógico-matemática, por exemplo, não quer dizer que não seja inteligente, e sim que tem outro tipo mais desenvolvido do que este.
Devemos ter em mente que todos temos vários tipos de inteligência em diferentes graus, e que todas elas podem ser exercitadas, assim como podem funcionar separadas, juntas e associadas em graduações infinitas.
Essa diversidade de aptidões e graduações que nos faz diferentes uns dos outros e que nos torna únicos.

Priscila Mattos

Fonte: https://osegredo.com.br/2017/02/qual-o-seu-tipo-de-inteligencia/


 

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Lições de vida de Bruce Lee - Sylvio Ribeiro

Para alguns, ele foi um ator; para outros o maior artista marcial de todos os tempos. Mas poucos conhecem um outro lado igualmente excepcional, o de filósofo. Confesso que fiquei surpreso quando peguei emprestado o livro “O Tao do Jeet Kune Do” e conheci um lado que não imaginava. Bruce foi um grande pai, um marido dedicado e detentor de uma disciplina marcial de dar inveja a qualquer lutador do UFC.  Ele foi um exemplo em todos os aspectos, mas acredito que o maior de todos exemplos dele é o de vida.

Abaixo estão 10 lições de vida que um dos maiores lutadores de todos os tempos deixou para nós em apenas 32 anos de vida.

1. OBJETIVO

“Um objetivo nem sempre é para ser atingido, frequentemente serve apenas como algo a ser mirado.”
Esse talvez seja um dos clichês da motivação mais negligenciados.  Ter objetivo é importante, mas não é tudo. É preciso apreciar a jornada tanto quanto a chegada. De fato, estudos comprovam que o corpo humano produz mais serotonina (hormônio da felicidade) quando estamos prestes a conseguir algo do que quando conseguimos. Se você tem um objetivo, faça dele uma consequência de algo valioso, e que se não der certo, tudo bem, valeu a pena.

2. FLEXIBILIDADE

“Limpe a sua mente e seja como a água, sem forma. Você coloca a água num copo e se torna o copo, coloca água em uma garrafa, se torna a garrafa.”
Resiliência e adaptabilidade são duas das mais valiosas qualidades que uma pessoa pode ter. Não seja duro, lento e difícil de lidar. Seja flexível, rápido e fácil de conviver — adapte-se às circunstâncias em vez de confrontá-las. Flexibilidade é a capacidade que algo tem de se moldar às adversidades, a água é o maior exemplo, ela não se opõe aos obstáculos, se molda a ele.

3. TEMPO

“Se você ama a vida, não desperdice tempo, é de tempo que a vida é feita.”
Você já leu isso em algum lugar, mas Bruce colocou isso de uma forma diferente. Se a vida é feita de tempo — logo é limitada — , então viver é aproveitar o tempo. Evite reclamar que você não tem tempo, evite sonhar com um dia de 30 horas, isso é perda de tempo.  Se você tem apenas 1 hora livre no final do dia, aproveite! Faça algo que realmente te deixe feliz. E se você não está feliz hoje, se algo lhe incomoda, saiba que você está perdendo tempo. Mude!

4. PROPÓSITO

“Viver de verdade é viver para os outros.”
Que graça a vida teria se não tivéssemos ninguém para compartilhar? Ninguém para cuidar, ninguém que nos esperar ao final do dia, ninguém para nos motivar…  alguém que valha a pena luta. Não é hipocrisia, não falo da boca pra fora, eu realmente acho que o propósito da vida de cada um é fazer os outros felizes. Porque se as pessoas com quem me importo forem felizes, eu também serei. Para manter isso sempre aceso dentro de mim, frequentemente me pergunto: o que você pode fazer para alegrar o dia de alguém (sem esperar nada em troca)?

5. ACEITAÇÃO

“Não pense sobre quem está certo ou errado ou quem é melhor que o outro. Não seja nem a favor nem contra.”
Você não acha que o mundo seria melhor se as pessoas não julgassem tanto umas as outras? Outro dia eu comentei que nem todo mundo quer mudar o mundo, mas todo mundo gostaria de mudar o outro. Um amigo concluiu brilhantemente: devíamos querer mudar a nós mesmos. Para mim, falar dos outros é uma perda de tempo e pior, é nocivo. Precisamos entender que o mundo é um lugar heterogêneo e agradecer por ele ser assim.

6. FOCO

“Eu não temo o homem que praticou 10.000 chutes uma vez, eu temo aquele que praticou um chute 10.000 vezes.”
Seja um especialista. Se você quer ser muito bom em algo, pratique, pratique, pratique. E quando você achar que já praticou o suficiente, pratique o dobro. E quando você achar que não tem mais como melhorar, pratique um pouquinho mais. Seja o melhor em algo e você será reconhecido por isso. Não desista no meio.

7. SIMPLICIDADE

“Simplicidade é a chave para algo brilhante.”
Vivemos em um mundo onde tudo é complexo e cheio de detalhes. Mas, ainda assim,  valorizamos o que é simples. Felicidade vem de dentro, do que sentimos não do que temos. Precisamos desobstruir o caminho da felicidade, eliminar as superficialidades da vida, querer cada vez menos não mais. As pessoas mais admiráveis que conheci (ou li) frequentemente foram as mais simples e modestas também.

8. ENCONTRE O SEU CAMINHO

“Absorva o que lhe é útil, descarte o que não é, e adicione algo único.”
Quando começamos algo (seja a vida ou um curso técnico), precisamos ouvir, aprender e observar. Dessa forma, absorvemos o conhecimento necessário para fazermos do nosso jeito. Testando, vemos o que funciona conosco e o que não. Essas adaptações são cruciais para criar um estilo próprio. Ao final, acrescente pequenos toques pessoais. Não viva à sombra dos outros.

9. EGO

“Artes-marciais são principalmente fonte de auto-conhecimento. Um soco ou um chute não é para arrancar os males do cara a sua frente, mas para arrancá-los seu próprio ego, medo e obstáculos.”
Tudo que você faz envolve seu ego. É ele que fica assustado, sente medo e impede você de fazer algo porque assim já está bom. Aprenda a controlar os seus próprios medos e convertê-los em motivação, essa é a maior fonte de coragem.

10. COMECE AGIR

“Saber não é o suficiente, você tem que aplicar; querer não é o bastante, você tem que fazer.”
A frase diz por si só. Pare de ler e vá por em prática.
[Baseado em artigo do Dumb Little Man. / Agradecimento a Jessin, cujo comentário levou a uma pequena modificação no post original.]
Fonte: http://www.pequenoguru.com.br/2011/11/licoes-de-vida-de-bruce-lee/

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

LIMITES

Qual o seu limite para sonhar e realizar objetivos em sua vida?
Nenhum.
O limite é você quem impõe.
Você é a única pessoa que pode colocar restrições nos seus desejos.
Veja que as grandes realizações do nosso século aconteceram quando alguém resolveu vencer o impossível…
Nas navegações, encontramos um Colombo determinado a seguir viagens pelo mar, mesmo estando cansado de ouvir que o mar acabava e estava cheio de monstros terríveis.
Santos Dumont, foi taxado de louco tantas vezes que nem mais ligava para os comentários, até fazer subir seu 14 Bis…
Ford foi ignorado por banqueiros e poderosos que não acreditavam em carros em série.
Einstein foi ridicularizado na Alemanha… Desistir de nossos projetos, ou aceitar palpites infelizes em nossas vidas é mais fácil do que lutar por eles.
Renunciar, chorar, aceitar a derrota é mais simples pelo simples fato de que não nos obriga ao trabalho.
E ser feliz, dá trabalho.
Ser feliz é questão de persistência, de lutas diárias, de encantos e desencantos.
Quantas pessoas passaram pela sua vida e te magoaram ???
Quantos passarão pela sua vida só para roubar tua energia ???
Quantos estarão realmente preocupados com você???
A questão é como você vai encarar essas situações.
Como ficarão seus projetos…eles resistirão as amarguras e desacertos do dia a dia???
O objetivo você já tem: ser feliz !!!
Como alcançar você já sabe: lutando !!!
Resta saber o quanto feliz você realmente quer ser.
E principalmente; qual o limite que você colocou em seus sonhos.
Lembre-se: não há limites para sonhar…
Não se limite, vá a luta!
O impossível é apenas algo que alguém ainda não realizou !!!
E sempre Sorria !!!


quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Todos os Minutos São Preciosos

Às vezes, quando me encontro com velhos amigos, lembro-me da rapidez com que o tempo passa. E isso faz-me pensar se temos utilizado o nosso tempo de forma adequada ou não. A utilização adequada do tempo é tão importante.

Enquanto tivermos este corpo e especialmente este cérebro humano incrível, eu acho que cada minuto é algo precioso. O nosso dia-a-dia é muito vivido à base de esperança, embora não exista a garantia do nosso futuro. Não há garantia de que amanhã a esta hora estejamos aqui. Mas estamos sempre na expectativa de que isso aconteça, puramente na base da esperança. Por isso, precisamos de fazer o melhor uso possível do nosso tempo. Acredito que a utilização adequada do tempo é a seguinte: se você puder, esteja disponível para as outras pessoas, ou para outros seres sensíveis. Se não, pelo menos, abster-se de os prejudicar. Eu acho que esta é toda a base da minha filosofia. 

Concluindo, precisamos de refletir no que é realmente de valor na vida, o que dá sentido às nossas vidas, e definir as nossas prioridades com base nisso. O propósito da nossa vida precisa de ser positivo. Nós não nascemos com o propósito de causar problemas, prejudicando outros. Para que a nossa vida seja de valor, acho que devemos desenvolver boas qualidades humanas básicas - o calor, a bondade, a compaixão. Então, a nossa vida torna-se significativa e mais pacífica, mais feliz. 

Dalai Lama, in 'The Art of Happiness' 

Fonte: http://www.citador.pt/textos/todos-os-minutos-sao-precisosos-dalai-lama

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

O que te faz sorrir por dentro?

Uma amiga me disse que adora me ver comendo caranguejo porque é quando eu mais sorrio por dentro. Dei risada. Por fora, claro, pois por dentro estava gargalhando. Afinal de contas, comer caranguejo é mesmo uma felicidade sem tamanho.

Dali então fiquei pensando: quando é que a gente, de tão feliz, transparece sorrir por dentro?

Além do caranguejo, sorrio por dentro diante de batata frita, de panetone e de  camarão. Com pizza também dou uma risadinha, de leve, mais aí vai depender do sabor.

Sorrio por dentro quando sinto o cheiro da chuva e quando vejo o pôr do sol. Quando ouço o canto de passarinhos, “Felicidade”, do Lupicínio Rodrigues; “Hey, Jude”, dos Beatles; “My girl”, do The Temptations e “Tema de amor”, da Marisa Monte. Um sorriso tão grande que transborda em lágrimas.

Sorrio por dentro quando termino de ler um livro, de arrumar a casa, de fazer uma sobremesa ou de escrever uma carta. Sorrio por dentro quando a luz acaba, sem hora pra voltar. E, claro, também sorrio por dentro quando ela volta.

Sorrio por dentro quando entro num avião e quando chego ao destino que escolhi com tanto carinho. Mas sorrio mesmo quando volto pra casa e, da minha cama, começo a planejar as próximas aventuras.

Sorrio por dentro quando vejo fotos antigas, quando a peça que namorei por meses entra em liquidação, quando alguém elogia um texto meu e quando, inesperadamente, encontro uma pessoa querida que não vejo há anos!

Sorrio por dentro quando saio do médico com um “está tudo em ordem”, quando a terapeuta diz que evoluí bastante e quando encontro um dinheirinho “perdido” no bolso da calça. Neste caso, sorrio e gasto o dinheiro na mesma hora. Não é contraindicado para ninguém sorrir por dentro duas vezes seguidas, tá?

Sorrio por dentro quando vejo o reconhecimento merecido de um amigo, quando me convidam para um casamento, uma formatura ou um aniversário. Aliás, é só falar em aniversário que todos os meus órgãos cantam parabéns de sorriso aberto!

Sorrio por dentro quando passo a mão nos cabelos do meu pai, quando minha mãe me abraça e quando meu namorado encosta o pé no meu no meio da noite. Sorrio por dentro quando me oferecem a mão para atravessar a rua e quando me oferecem passatempo recheado.

Sorrio por dentro quando fico pronta antes do combinado, quando chego na parada e o ônibus ainda não passou, quando lembro que escondi um docinho na geladeira (e vejo que ainda está lá) e quando sinto o cheiro do meu perfume favorito.

Sorrir por dentro diante de pequenos detalhes. Acho que é esse o verdadeiro motivo da felicidade. Mas preciso concordar: eu sorrio muito mesmo por dentro quando como caranguejo…

Jéssica Vieira