sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Verdades e Mentiras sobre Consultorias

Essas informações têm por objetivo oferecer ao profissional algumas dicas na hora de contatar uma empresa de consultoria. Abaixo listamos diversas "verdades e mentiras" sobre a nossa área e esclarecemos algumas dúvidas comuns que vem de nossos clientes:

1) Entendendo os termos utilizados pelas empresas:

HEADHUTING - Consultoria de gestão que auxilia empresas a avaliar e recrutar profissionais. É um trabalho entre empresas exemplo: Escola X contrata empresa Y para conseguir o profissional W no mercado.

OUTPLACEMENT - A função das empresas de outplacement é oferecer ao profissional demitido uma forma de encontrar uma outra oportunidade de trabalho. É um trabalho que pode ser feito entre empresas ou contratado pelo próprio profissional.

RECOLOCAÇÃO PROFISSIONAL - Serviço para profissionais que foram demitidos ou que procuram mais aulas para completar a sua carga horária. Todos os custos deste serviço são pagos pelo profissional.
2) Como escolher uma boa empresa:
Avalie os serviços da empresa e todos os benefícios que lhe são atribuídos na contratação do serviço.Avalie o contrato. Veja se tudo que está no contrato foi dito pelo consultor e se são "coisas" plausíveis de serem cumpridas.
Caso tenha dúvida sobre alguma cláusula do contrato pergunte na hora para o consultor, se for necessário, peça auxílio para analisar o contrato.
Veja todas as formas que a consultoria tem para comprovar que está desenvolvendo o trabalho, exemplo: A Spaço In, além do contrato oferece comprovantes de postagem do currículo, relatório semestral do andamento do serviço com nº de oportunidades recebidas e nº de entrevistas que o profissional participou.
Procure pessoas que conheçam a empresa e verifique os resultados que ele teve.
Procure conhecer a empresa, veja se ela tem alguma reclamação junto às entidades de defesa do consumidor.
Ministério Público: Rua Riachuelo, 115, 1º andar, centro CEP 01007-904 - Fone: (11) 3119 - 9069 - www.mp.sp.gov.br
PROCON: no site do ministério da justiça a link para todos os PROCONS do Brasil - www.mj.gov.br
IDEC: www.idec.org.br
Mesmo assim a única maneira de se ter conhecimento pleno sobre a consultoria é utilizando seus serviços pois na prestação de serviços cada cliente tem um retorno que é de acordo com a sua experiência na área e o seu desenvolvimento durante a entrevista.

3) Jamais acredite em empresas que vendem vaga:
Pois nenhuma consultoria pode assegurar ou dar garantias sobre a sua contratação.
A contratação depende exclusivamente da instituição empregadora.

4) Avalie o tratamento e a comunicação da empresa:
É importante que a comunicação e o bom tratamento dado a você dure o tempo todo.
Para ilustrar melhor citamos que:
O atendimento ao cliente deve ser impecável, o consultor tem que estar a sua disposição para orientá-lo sempre que necessário.
A empresa tem que posicionar o andamento do trabalho exemplo: a Spaço In encaminha um relatório semestral para todos os clientes.
E posicioná-lo sobre o mercado para facilitar a sua atualização, exemplo: a Spaço In mantém um boletim periódico com as principais informações da área educacional.

5) Veja como a consultoria mantém contato com as instituições:
Veja como ela divulga o seu currículo.
 
Existem diversas maneiras de divulgar um currículo e fazer contato com as empresas. Avalie se os serviços que a empresa desenvolve estão de acordo com o valor que ela cobra (relação custo x benefício).
6) Veja os clientes da Consultoria:
Peça uma relação de empresas com as quais a consultoria trabalha, e se possível, faça contato com algumas e avalie o "outro lado" da prestação de serviços.
Para nós segurança e idoneidade fazem parte da vida da nossa empresa, assim, agimos com total transparência e respeito por nossos clientes.
Diretoria de Recolocação
Spaço In Consultoria e Assessoria Educacional

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Conduta respeitosa: você qualificado para o sucesso!

      Você tem um bom emprego, uma família amada, a presença de Deus na sua vida? Olhe para dentro de si e reflita: você é o homem mais feliz do mundo!

     Não é porque alguém é líder, chefe de seção ou tem o poder constituído que tem o direito de tratar com desrespeito quem quer que seja. Ainda mais se for um profissional que se qualifica como de alto impacto. Há líderes que perdem o poder sobre os liderados por extrapolar seus direitos ou atuar com agressividade, achando-se o senhorio.

     As equipes de trabalho veem com olhos de desaprovo o profissional desrespeitoso. Não raro, na primeira oportunidade é alijado dos quadros funcionais.

     O perfil do homem corporativo mudou. Ele evoluiu, tecnicamente e nas suas inter-relações. O profissional de vanguarda tem seus atributos avaliados, tanto pelo que diz quanto pelo que faz. E aí recebe “notas” e conceitos dos superiores e da equipe. Sempre que essas “notas” saem fora do status normal um sinal vermelho é aceso.

     É de vital importância ter uma conduta forjada na respeitabilidade, em consonância com as leis e os ensinamentos modernos. Lembre-se que somos atores globais e vivemos interconectados com as comunicações extra-empresas. Alguns exemplos de conduta:

     -Respeitar as dependências da empresa e não fazer uso de bens ou recursos para usufruto próprio, para fins ilícitos, ou fora dos objetivos constitutivos;

     -Assumir compromisso com os princípios éticos, honestos, e respeito às coisas e às pessoas;

     -Tratar de forma educada, cortês, evitando preconceito, discriminação, etc.

     -Ter comportamento transparente, fidedigno, voltado para o decoro e dentro dos preceitos do cargo exercido.

     -Conduta discreta em consonância com o ambiente, corporativo ou não, respeitando subordinados, superiores, clientes, fornecedores, amigos, etc, e respeitando ainda as diferenças de cultura, classe social, raça, credo, etc.

     -Respeito ao meio ambiente, ao direito de “ir e vir”, à liberdade de expressão e as leis constituídas;

     -Responder pelas próprias ações, omissões e decisões. Respeitar sempre as decisões superiores. Fazer uso do lema “ordens são para sempre cumpridas, não contestadas”.

     Por fim, quem tem por formação o respeito é respeitado e está sempre inserido na lista dos profissionais notáveis!

      do livro "Como se tornar um profissional de Alto Impacto"

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

A liderança do século XXI


O fenômeno da liderança é indubitavelmente um dos assuntos mais comentados, discutidos e estudados neste mundo organizacional moderno. 

Treinamentos, palestras, novas publicações são apenas algumas estratégias de desenvolvimento de competências que empresas dos mais variados segmentos utilizam para otimizar o potencial de seus líderes.

Mas qual será o elemento mais importante para aumentar o potencial dos líderes organizacionais e, consequentemente, de suas respectivas equipes?

Para responder essa importante questão, cito uma frase do célebre Vinicius de Moraes: 

"A vida só se da para quem se deu".

Transferindo o pensamento do exímio poeta para o cotidiano dos líderes atuais, pode-se auferir que muito embora práticas de desenvolvimento de competências sejam importantes para a otimização dos resultados de líder/liderados, o mais relevante é liderar com base nos relacionamentos.

Nossos líderes precisam entender que não basta ter os "braços" dos trabalhadores a serviço de uma equipe, e sim conquistar suas "cabeças" e seus "corações", pois somente dessa maneira é possível empregar o melhor de cada seguidor a disposição das metas e objetivos traçados.

Outro pressuposto elementar que contextualiza a liderança praticada neste século XXI é a capacidade que o líder deve ter para inspirar seus seguidores. É preciso fazer a equipe acreditar que as metas e os objetivos serão angariados, e que o mérito será do conjunto, independendo dos cargos e funções exercidos. James Kouzes e Barry Posner na célebre obra "O novo desafio da Liderança", denominam a postura supracitada como Visão Compartilhada, onde toda equipe consegue compreender e se engajar em objetivos únicos, mesmo sabendo que existem diferenças de atribuições e salariais entre seus membros.

Abaixo cito algumas estratégias para extrair o melhor de cada liderado dentro de uma equipe:

A - Entenda quais são as pretensões e os sonhos de cada um de seus liderados, e se coloque como um facilitador para que os mesmos alcancem seus anseios.

B - Seja um bom ouvinte. Para isso sugiro que você ouça até aquilo que o contradiga, tomando decisões democráticas.

C - Seja um administrador dos sentidos. É fundamental que cada membro do grupo sinta-se importante e compreenda quais são suas funções e como elas impactam nos resultados da equipe.

D - Quanto menos "segredos" existirem entre líder e liderados melhores serão os resultados da equipe. Na medida do possível, sua equipe deve saber absolutamente de tudo, pois isso perpassa confiança e credibilidade.

E - Trace metas e objetivos ousados, transmitindo confiança e uma visão empreendedora. Lembre-se que o pensamento medíocre atrai metas e objetivos limitados.

Para finalizar menciono uma frase de um dos maiores esportistas que o Brasil já teve, Ayrton Senna, que ao ser indagado sobre seus êxitos respondeu:

"Para conseguir sucesso temos que empregar toda nossa força e superar nossos limites todos os dias".

Concluo afirmando que o maior desafio dos líderes atuais é empregar todo esforço e dedicação na melhoria dos relacionamentos interpessoais com seus liderados, pois estes são os alicerces para construção de uma equipe vitoriosa neste século XXI.

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Fui contratado, e agora???

Diante do cenário mundial de instabilidade econômica e incertezas acerca das possibilidades que o mercado de trabalho apresentará, o cuidado frente à conquista de uma nova oportunidade profissional deve ser maior ainda.

Os três primeiros meses de atuação do profissional na empresa são cruciais para a consolidação de seu sucesso e permanência na organização. Assim, para que sua atuação possa ser marcada positivamente é importante que fique bastante atento às seguintes dicas:

1- Ao ingressar na nova organização, lembre-se que ainda que a mesma possa ser de um segmento similar ao que já atuou, trata-se de uma nova cultura, novas pessoas e, portanto, nova forma de conquistar e apresentar os resultados. É muito comuns profissionais que, por terem dificuldades em romper com a cultura da empresa anterior, são dispensados por não conseguirem se integrar ao novo contexto. 

2- Aprender é a “palavra de ordem”, assim, esteja aberto e seja “curioso”, no bom sentido, para conhecer novos métodos, novos processos, novas políticas e todas as ferramentas que servem como base para a geração de resultados. Perceba o novo trabalho como uma oportunidade singular de aprender e enriquecer seu repertório. Lembre-se que nesta etapa é muito importante que as pessoas que fazem parte de sua equipe e seu superior percebam a sua receptividade à essas informações. Evite chegar realizando mudanças ou criticar a forma da empresa atuar.

3- Nesta fase de adaptação é também primordial que sua percepção esteja muito ativa, especialmente para entender o papel e responsabilidades das pessoas. É importante que respeite as hierarquias e a forma como a empresa estabelece a comunicação entre as áreas. Fique atento à tudo aquilo que não está no “manual do novo colaborador”, pois muitos detalhes estão presentes nas entrelinhas da organização e a falta de percepção e cuidado à eles pode ser desastroso.

4- Realize o seu trabalho com dedicação e afinco, com atenção a todos os detalhes que podem impactar na não aprovação de seus resultados. Esteja atento aos prazos, informações que requerem sigilo, além de esclarecer sempre que necessário possíveis dúvidas referentes às suas responsabilidades. Demonstre flexibilidade para refazer atividades e para receber orientações de pessoas que atuam em sua equipe. Lembre-se que o não conhecimento de particularidades da nova estrutura de trabalho não o torna incapaz ou incompetente.

5- Procure estar aberto ao feedback de seu chefe e se for necessário procure-o para ouvir dele opiniões e sugestões acerca de seus resultados e da melhor forma de realizar suas atividades. Busque entender claramente sob quais indicadores de resultados está sendo avaliado. 

6- Finalmente, não esqueça de investir nos relacionamentos, nesta fase de adaptação a uma nova empresa é muito importante que faça alianças positivas, especialmente, com as pessoas que estão há mais tempo na organização. Tais pessoas podem lhe oferecer dicas importantes para sua sobrevivência no novo desafio.

Sucesso!!


Izabel Araújo

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Planeje sua vida

Prefira a empregabilidade em longo prazo do que a segurança no emprego.
Não, não é mais uma dessas frases feitas, de impacto e que nos deixam de cabelo em pé. É para refletir – e ainda – mudar a postura frente à nova realidade do mercado de trabalho.
Não esqueça: você é o dono de sua vida e da sua carreira!

O que não significa que deve mudar de emprego a todo momento e fazer de cada empresa apenas mais um degrau rumo a sua escalada para o sucesso.
Porém, carreira e vida pessoal andam de mãos dadas, juntas, praticamente grudadas, portanto temos de pensar em um projeto de vida e não somente na parte profissional.

Pense naquilo que você faz, já fez ou pretende fazer. Convido você a traçar um rumo para seus sonhos e transformá-los em ação.

1. Quem sou eu?
Essa é a perguntinha básica de qualquer projeto de vida.

Poucas pessoas pensam em suas atitudes, ponderam sobre seus pontos fortes e aqueles que precisam desenvolver, seu propósito de vida ou realização de sonhos. Faça uma avaliação honesta sobre você mesmo.
Faça perguntas como: “o que eu gosto de fazer que faria até de graça?”, “O que me deixa impaciente, ansioso e pouco produtivo?”, “Tenho medo de quê?”, “Sou feliz hoje?”.
A lista de perguntas é pessoal e intransferível, crie a sua e comece a traçar um perfil de quem é a pessoa que sou e a que quero ser.

2. Visualize o futuro
Faça um pequeno exercício de visualização.
Tente imaginar o futuro, sua situação profissional, financeira, amorosa, familiar, saúde e espiritual.
Vá longe!
Sonhe com a situação ideal! Imagine um futuro perfeitamente realizável.
Faça um exercício sério sobre sua vida no futuro e depois escreva no papel o que você visualizou.

3. Crie uma rede de relacionamentos
Os melhores empregos não são preenchidos com anúncios em classificados de jornal, as melhores oportunidades para sua promoção não estão somente na labuta do dia-a-dia.
Crie um método para gerenciar seus relacionamentos.
Tenha o hábito de se comunicar com seus contatos, pode ser através de e-mail enviando algum artigo interessante, promovendo encontros, enfim; existem diversas maneiras de estar sempre na lembrança de quem pode lhe ajudar na sua carreira e na sua vida.
Não seja interesseiro nem procure amizades somente com pessoas do alto escalão. É um erro gravíssimo!
E essa relação deve de ser de mão dupla: você também deve ajudar os outros e ser um importante contato na rede de outra pessoa. Deve ser uma relação ganha-ganha.

4. Tenha metas
Lembre-se de que temos de ter metas de curto, médio e longo prazo e que elas devem ser flexíveis.
Nada de fechar a mente e ficar dando “murro em ponta de faca”, pois as circunstâncias de vida mudam a todo instante, o que não significa que temos de deixar tudo ao acaso.

5. Cuide bem do seu dinheiro
Dedique uma atenção especial a esse quesito, pois todos temos diferentes fases na vida.
A vida de solteiro é muito diferente da vida de casado, que é diferente com filhos na faculdade, por exemplo.
Dedique tempo e estudo para essa área, afinal ninguém mais quer ser aposentado do INSS, e são muitas as possibilidades de investimento.
Poupar nada mais é do que um hábito, mesmo que em pequenos valores, mas que no futuro pode fazer uma grande diferença.
Anote despesas, seja organizado, pois o tempo passa e a hora certa de preparar sua aposentadoria é quando você inicia a sua carreira.

6. Espere o imprevisível
Planejar é ótimo, mas não espere um céu de brigadeiro, pois turbulências ocorrerão.
Nada é estático, podemos perder o emprego, ter algum problema de saúde ou financeiro. Somos seres finitos, e sob certos aspectos muito sensíveis a chuvas e trovoadas.
Riscos existem e devem ser gerenciados, muitos são previsíveis e podem ser evitados. A questão é: como você lida com o risco?
Quais são aqueles que valem ou não à pena correr. Somente você tem a sua resposta.

Viver dá trabalho, não é fácil, mas fica ainda mais difícil sem qualquer tipo de planejamento. Que tal fazer agora o seu!

Paulo Araújo


Colaboração: Jorge Pedro  -  Assessoria em RH

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Marca Pessoal

Sabe aquela história da pessoa certa no lugar certo? Na semana passada conheci uma moça que me chamou a atenção pela pouca idade e o alto cargo que ela ocupa. Com apenas 29 anos, Luíza assumiu a diretoria financeira de uma empresa alemã, com filial aqui no Brasil. A trajetória profissional da moça é, sem sombra de dúvidas, muito bonita. Porém, por mais competente que ela seja (e sei que realmente é), acredito que um fator precisa ser levado em consideração: Luíza sempre vendeu muito bem o seu trabalho e, principalmente, a si própria. 

Quando estudante, a jovem conheceu em um evento da faculdade um palestrante que trabalhava nessa empresa. Após sua explanação aos alunos, Luíza o abordou dizendo ter interesse em conhecer um pouco mais sobre a sua corporação. E não era apenas papo jogado fora. Ela realmente já havia ouvido falar muito bem da multinacional e queria, realmente, conhecer o trabalho deles. Segundo ela, por curiosidade apenas. 

O palestrante, muito receptivo, entregou-lhe um cartão e pediu que ela ligasse durante a próxima semana para que pudessem agendar uma visita. Ao pegar seu cartão, porém, percebeu que estava diante do Diretor de Operações da empresa e viu que, sendo assim, poderia ter uma oportunidade inigualável nas mãos durante essa visita. Preparou-se para, então, oferecer seus serviços para aquela empresa. É claro que nem sempre as oportunidades caem do céu. Mas, Luíza já começou se destacando dos demais estudantes que preferiram correr para a lanchonete assim que a palestra acabou.
Durante sua visita, Luíza demonstrou-se extremamente interessada em entender como funcionava cada detalhe da companhia. Júlio, o Diretor que a recebera tão prontamente, por sua vez, percebeu que tinha diante de si uma pedra bruta que, depois de lapidada, poderia se tornar um belo diamante. A moça, identificando uma oportuna abertura do diretor, relatou o seu interesse em se candidatar para uma vaga em sua empresa. Como resposta, Júlio lhe explicou que na área de finanças possuía, sim, uma vaga. Porém, a oportunidade era de estágio, o que ele presumia não ser do interesse da jovem. 

Ao contrário do que ele imaginava, porém, Luíza se apressou em dizer que tinha interesse, sim. Assim, após algumas entrevistas e testes de seleção, a moça começou um programa de estágio. 

Demonstrando aos seus superiores talento, capacidade e vontade de trabalhar, pouco mais de seis meses depois que ela havia iniciado suas atividades na empresa, Luíza recebeu a notícia de que seria efetivada, antes mesmo de terminar seus estudos. Assim, ela começou a assumir maiores responsabilidades e desafios ali dentro. Tendo maior acesso a informações importantes, e podendo, assim, entender o real funcionamento da empresa, a moça começou a sugerir soluções muito criativas e inovadoras para problemas há anos pendentes. 

Foi assim que, surpreendendo a cúpula da empresa dia após dia, Luíza foi galgando importante espaço na empresa. O que considero fundamental para o crescimento da moça, além de sua notória competência, foi a sua capacidade exímia de fortalecer sua imagem diante de seus chefes. Luíza nunca foi arrogante, porém fazia questão de que seu trabalho fosse devidamente creditado, assim como fazia constante “propaganda” de suas conquistas. Ela fez de si mesma um produto, que precisava de constantes melhorias e, claro, divulgações de seus progressos. 

Não nego que ela contou com um pouco de sorte. Mas, seria injusto creditarmos todo o seu sucesso apenas à sorte. Pelo contrário, ela fez por onde merecer cada degrau que conquistou ali dentro. Além do talento nato, a moça sempre mostrou aos seus superiores o quanto queria crescer dentro da empresa e, principalmente, o quanto era capaz disso. Por isso, reforço a importância de sempre cuidar muito bem da nossa marca pessoal. Afinal, como queremos que a empresa e/ou o mercado nos veja? Só você é capaz de construir isso. 


quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Conheça as profissões em alta em meio à desaceleração econômica

Luís Guilherme Barrucho
Da BBC Brasil em São Paulo 

Os efeitos da desaceleração da economia já começam a bater à porta das empresas brasileiras, que são forçadas a rever custos, cortar gastos e também reavaliar o desempenho de seus funcionários.

Na semana passada, o governo anunciou que o PIB (Produto Interno Bruto), a soma de todos os bens e serviços produzidos no Brasil, caiu 0,6% no segundo trimestre deste ano. O mau desempenho de abril a junho, aliado à revisão para baixo do resultado do primeiro trimestre (-0,2%), levaram o país à chamada recessão técnica (quando há dois trimestres consecutivos de queda).

De acordo com agências de recrutamento consultadas pela BBC Brasil, a retração da atividade econômica ainda não resultou em demissões em larga escala, mas, temerosos com a saúde financeira de suas empresas, empregadores já começaram a substituir funcionários. Saem os menos produtivos, entram os mais eficientes.

"É normal que as empresas reavaliem melhor seus quadros em momentos como esse", afirmou à BBC Brasil Marcia Almstrom, diretora de Recursos Humanos da empresa de recrutamento ManpowerGroup.

Segundo Gil Van Delft, presidente para o Brasil do PageGroup, grupo de recrutamento especializado em cargos de média e alta gerência, oito em cada dez posições intermediadas pela companhia são hoje substituições.

"Empresas de grande porte que estão sofrendo mais fortemente os efeitos da retração econômica, como o setor industrial, vêm buscando profissionais que ajudem a reduzir os custos da operação e proporcionem maior eficiência à cadeia produtiva", disse ele à BBC Brasil.

"Essas substituições ocorreram em maior peso no Sul e no Sudeste. No Nordeste, por outro lado, ainda temos novas contratações por ser um mercado em ascensão", acrescentou Van Delft.

Na avaliação de especialistas, diante desse cenário de incertezas, a qualificação da mão de obra ganha papel fundamental.

"A qualificação vai ser a chave para o profissional que quiser sobreviver e crescer a partir de agora", disse à BBC Brasil Ricardo Haag, gerente-executivo da Page Personnel, braço do PageGroup para recrutamento de profissionais de suporte à gestão e primeira gerência.
Com base na opinião de especialistas, a BBC Brasil selecionou as áreas e as respectivas profissões que estão sendo ─ e devem ser ─ mais procuradas em meio à desaceleração da economia brasileira.

Vendas

Cargos mais procurados: Gerente de novos negócios, gerente de planejamento de vendas.
Por que está em alta? Com menos oportunidades de negócios, as empresas buscam profissionais que possam turbinar seus ganhos, por meio de um melhor desempenho nas vendas e também por meio de novas parcerias.

Finanças

Cargos mais procurados: Contador (nível médio), controller (gestor), gerente de planejamento financeiro, diretor de tesouraria.
Por que está em alta? O cenário de incertezas força uma maior racionalização dos custos. Cabe a esses profissionais cortar gastos sem afetar a capacidade de investimento das empresas permitindo, assim, um crescimento contínuo durante tempos mais difíceis.

Direito & Tributos

Cargos mais procurados: Gerente de projetos fiscais, gerente fiscal para Centro de Serviços Compartilhados (CSC), gerente de planejamento tributário, advogado tributarista, chefe de 'compliance' (auditoria), gerente de regulação e infraestrutura.
Por que está em alta? A estrutura tributária brasileira é considerada uma das mais complexas do mundo. Em um momento que exige enxugamento de custos, empresas buscam profissionais capazes de racionalizar o pagamento de impostos.

Compras & Logística (Supply-chain)

Cargos mais procurados: Comprador (nível técnico), gerente de compras indiretas, gerente de planejamento de demanda, gerente de logística.
Por que está em alta? Produzir mais e melhor depende de um bom funcionamento da cadeia produtiva da empresa. Diante de um quadro de retração da atividade econômica, a importância desses profissionais é estratégica, pois o resultado financeiro obtido por meio das vendas é também consequência direta de compras eficientes. Atualmente, a maior demanda por profissionais da área concentra-se nos setores de serviços e varejo.

Tecnologia

Cargos mais procurados: Analista de suporte técnico (nível técnico), técnico em segurança da informação, arquiteto da informação, gerente de banco de dados.
Por que está em alta? O Brasil possui um desequilíbrio endêmico na área, já que a oferta de profissionais é muito inferior à demanda das empresas. A função é essencial para qualquer empresa, mas tem importância estratégica em momentos em que se busca mais eficiência.

Recursos Humanos

Cargos mais procurados: Analista e gerente generalista de RH.
Por que está em alta? O departamento de Recursos Humanos tem papel fundamental em momentos de reestruturação para as empresas. Cabe a esses profissionais identificar, entrevistar e contratar novos talentos. Além disso, são responsáveis por avaliações de desempenho e programas de treinamento, essenciais para a melhoria da produtividade. 

Fonte: http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2014/09/140905_salasocial_eleicoes2014_profissoes_crise_lgb.shtml