sexta-feira, 28 de agosto de 2015

O menino mágico e o empresário

Jorge estava cansado das dificuldades financeiras, da burocracia estatal, da queda nas vendas, da injustiça que é ser empresário em um território hostil de inacreditável regime trabalhista e tributário. Empregava mais de trezentos funcionários e cada vez mais sentia-se pressionado e inquieto com a corrupção epidêmica. Não era assim que aprendera com seu pai, um homem ético e visionário, cujo destino abraçou-o cedo demais. Afundou-se na poltrona da biblioteca pensativo sem saber o que fazer para sair da situação que mais se parecia com o fundo do poço. Em algum momento o furor do sucesso havia sido corrompido pelo medo do fracasso, e, assim o negócio familiar caminha para uma recuperação judicial.
Então, ouviu o tamborilar de passos pequenos, uma respiração leve chegou a ele. Sorriu, deveria ser sua filha. Porém quando a porta abriu, às três da manhã, era um menino, algo em torno dos nove anos, vestido com uma capa preta de estrelas, chapéu alongado e uma varinha de plástico na mão. Quem é você?, perguntou, para receber de volta uma resposta que o surpreendeu: "Sou mágico, um menino mágico".
Jorge ficou imóvel, estaria sonhando? O garoto deu uma risada curta e com um truque fez aparecer uma chave com aparência antiga e desgastada. Venha comigo, o menino disse, preciso lhe mostrar algo. Desceram por uma escada que não existia, não em sua casa. Estou sonhando?, perguntou-se.
"Quem é você? Não tenho tempo para brincadeira!", falou com uma rispidez maior do que gostaria, mas o menino apenas apontou para as portas.
Eram três portas talhadas em madeira com desenho de folhas rústicas. Pegue a chave, Jorge. E assim ele fez. Sentiu uma pontada no coração, pois lembravam exatamente as portas da casa do avô, o primeiro empreendedor da família. Ficou sem palavras.
O menino apresentou cada uma delas e o empresário repetiu mentalmente. A da esquerda se chama "impossível", a do centro "possível" e a da direita é a porta "segurança".
Cada uma delas tem um poder específico, faça a sua escolha.
Ponderou sobre a representação de cada escolha. Olhou novamente para o garoto, e isto o fazia ficar tranquilo. Amanhã nada vou lembrar mesmo, pensou, é um sonho, não existe magia neste mundo, aqui é tão somente um tempo fraturado. Mesmo assim, continuou o jogo.
Girou a chave na porta impossível. Seu queixo caiu, porque havia um espelho e viu que ele era o menino mágico. E depois, a através do espelho outros meninos da mesma idade e cada um disse o nome: Charles Chaplin, Santos Dumont e Bartolomeu de Gusmão. Os quatro foram brincar de arte, de avião, de balão e por fim do ponto que os unia: o impossível! Uma simples palavra que fora o motor propulsor das invenções e das pequenas e grandes revoluções. Ele redescobriu que coisas possíveis foram feitas do impossível, de homens e mulheres que acreditaram mais do que outros.
Então compreendeu tudo e levantou-se da poltrona num pulo. Algo fazia pulsar o seu coração mais rápido. Compreendeu que o menino mágico sempre estivera próximo, mas pela seriedade do mundo ele o esquecera em algum canto da memória.
Jorge descobriu que a crise, é, antes de tudo, uma questão de perspectiva. A dele havia mudado. O seu menino mágico lhe provou que empreender é uma aventura e, como se sabe, existem os riscos, os acidentes, as quedas e a redenção, mas acima de tudo, havia a grande jornada.
E, por ela, valia a pena.
Rodrigo Bertozzi 

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Você inspira confiança?

Confiança é a base de qualquer relacionamento saudável.

É um atributo essencial e indispensável para a liderança.

É a premissa básica para quem trabalha com vendas, em qualquer área.

Confiança é, sem dúvida, algo indispensável para o sucesso, no sentido mais amplo da palavra.

Mas, o que torna alguém confiável? O que gera a confiança nas pessoas?

Segundo Stephen Covey, em seu livro “A velocidade da confiança”, ser confiável é algo que envolve dois parâmetros bem claros e absolutamente complementares: Caráter e Competência.

O Caráter é a combinação de dois fatores, a “Intenção”, ou seja, os valores e propósitos de alguém a realizar algo, e a “Integridade”, ou seja, a capacidade que essa pessoa tem de agir de acordo com esses propósitos. A capacidade de sustentar esses propósitos em situações de crises ou conflitos. A coerência entre aquilo que fala e aquilo que faz. A coragem para agir ou falar quando a situação é difícil.

A Competência de alguém, por sua vez, também é indicada por dois fatores, a “Capacitação”, definida como o conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes dessa pessoa e o seu “Resultado” que é o conjunto de conquistas que indicam o esforço e a competência do indivíduo.

Por serem complementares, esses dois parâmetros, Caráter e Competência, só promovem a percepção da confiança quando estão juntos.

Em outras palavras, as pessoas só confiam em pessoas que demonstrem tanto um quanto o outro valor.

Assim, se alguém quer inspirar confiança não adianta ter um bom caráter e ser um incompetente e também não adianta ser competente, mas mau caráter.

Vale lembrar que a percepção da confiança é um processo dinâmico, de maneira que a confiança vai sendo construída ou pode ser quebrada de acordo com as interações entre as pessoas.
Quando convivemos regularmente com alguém temos condição de avaliar (e de sermos avaliados) com mais propriedade o quanto aquela pessoa que se relaciona conosco é ou não confiável.

O mesmo já não ocorre nos primeiros contatos, onde, por vezes, temos menos de dois minutos para inspirar a confiança nos outros.

Saber como, nesses dois minutos, transmitir a percepção de que somos confiáveis invariavelmente é a chave para o sucesso de qualquer relacionamento.

Saber como fazer com que o outro perceba a nossa intenção, a nossa integridade, a nossa capacitação e o nosso resultado nesses dois minutos é a chave que vai manter a porta aberta para um bom relacionamento.

Por isso, esse é um dos pontos que sempre trabalho em minhas sessões de Coaching e especialmente em meus treinamentos para times de vendas.

Gosto de fazer pequenas provocações com perguntas que, se bem respondidas, trazem mudanças bastante significativas…

O que exatamente na percepção do outro faz você parecer confiável?

Como deve ser a sua apresentação pessoal para que o outro confie em você?

Dentro do seu negócio, qual a melhor abordagem para que o cliente perceba a sua intenção e reconheça a nobreza de seus valores?

Como se comunicar com coerência e congruência para que o seu cliente perceba a sua integridade, ou seja, a conexão entre aquilo que você promete e aquilo que você entrega?

Ser merecedor da confiança dos outros é, sem dúvida, uma conquista individual, fundamentada em um processo contínuo onde cada um de nós busca diariamente tornar-se um ser humano cada vez melhor, isso é fortalecer o caráter, e tornar-se uma pessoa cada vez mais competente.

É preciso ser confiável. E isso é indiscutível!

Mas, vale lembrar que, para que você tenha relações saudáveis, não basta ser confiável, é preciso que os outros também te percebam como alguém confiável.

Então, o que você pode fazer de diferente para que as pessoas confiem ainda mais em você?

Quais as pequenas mudanças que você pode fazer agora e que trarão uma percepção ainda mais positiva dos outros sobre o seu caráter e a sua competência?



quarta-feira, 26 de agosto de 2015

24 Toques para Ser Mais Feliz

01 - Seja ético. 
A vitória que vale a pena é a que aumenta sua dignidade e reafirma valores profundos. Pisar nos outros para subir desperta o desejo de vingança. 

02 - Estude sempre e muito. 
A glória pertence àqueles que têm um trabalho especial para oferecer. 

03 - Acredite sempre no amor. 
Não fomos feitos para a solidão. Se você está sofrendo por amor, está com a pessoa errada ou amando de uma forma ruim para você. Caso tenha se separado,curta a dor, mas se abra para outro amor. 

04 - Seja grato(a) a quem participa de suas conquistas. 
O verdadeiro campeão sabe que as vitórias são alimentadas pelo trabalho em equipe. Agradecer é a melhor maneira de deixar os outros motivados. 

05 - Eleve suas expectativas. 
Pessoas com sonhos grandes obtêm energia para crescer. Os perdedores dizem: "isso não é para nós". Os vencedores pensam em como realizar seu objetivo.

06 - Curta muito a sua companhia. 
Casamento dá certo para quem não é dependente. 

07 - Tenha metas claras. 
A História da Humanidade é cheia de vidas desperdiçadas: amores que não geram relações enriquecedoras, talentos que não levam carreiras o sucesso, etc. Ter objetivos evita desperdícios de tempo, energia e dinheiro. 

08 - Cuide bem do seu corpo. 
Alimentação, sono e exercício são fundamentais para uma vida saudável. Seu corpo é seu templo. Gostar da gente deixa as portas abertas para os outros gostarem também.

09 - Declare o seu amor. 
Cada vez mais devemos exercer o nosso direito de buscar o que queremos (sobretudo no amor). Mas atenção: elegância e bom senso são fundamentais. 

10 - Amplie os seus relacionamentos profissionais. 
Os amigos são a melhor referência em crises e a melhor fonte de oportunidades na expansão. Ter bons contatos é essencial em momentos decisivos. 

11 - Seja simples. 
Retire da sua vida tudo o que lhe dá trabalho e preocupação desnecessários.

12 - Não imite o modelo masculino do sucesso. 
Os homens fizeram sucesso a custa de solidão e da restrição aos sentimentos. O preço tem sido alto: infartos e suicídios. Sem dúvida, temos mais a aprender com as mulheres do que elas conosco. Preserve a sensibilidade feminina - é mais natural e mais criativa. 

13 - Tenha um orientador. 
Viver sem é decidir na neblina, sabendo que o resultado só será conhecido, quando pouco resta a fazer. Procure alguém de confiança, de preferência mais experiente e mais bem sucedido, para lhe orientar nas decisões, caso precise.

14 - Jogue fora o vício da preocupação. 
Viver tenso e estressado está virando moda. Parece que ser competente e estar de bem com a vida são coisas incompatíveis. Bobagem ... Defina suas metas, conquiste-as e deixe as neuras para quem gosta delas. 

15 - O amor é um jogo cooperativo. 
Se vocês estão juntos é para jogar no mesmo time. 

16 - Tenha amigos vencedores. 
Aproxime-se de pessoas com alegria de viver. 

17 - Diga adeus a quem não o(a) merece. 
Alimentar relacionamentos, que só trazem sofrimento é masoquismo, é atrapalhar sua vida. Não gaste vela com mau defunto. Se você estiver com um marido/mulher que não esteja compartilhando, empreste, venda, alugue, doe... e deixe o espaço livre para um novo amor. 

18 - Resolva! 
A mulher/homem do milênio vai limpar de sua vida as situações e os problemas desnecessários. 

19 - Aceite o ritmo do amor. 
Assim como ninguém vai empolgadíssimo todos os dias para o trabalho, ninguém está sempre no auge da paixão. Cobrar de si e do outro viver nas nuvens é o começo de muita frustração. 

20 - Celebre as vitórias. 
Compartilhe o sucesso, mesmo as pequenas conquistas, com pessoas queridas. Grite, chore, encha-se de energia para os desafios seguintes. 

21 - Perdoe! 
Se você quer continuar com uma pessoa, enterre o passado para viver feliz. Todo mundo erra, a gente também. 

22 - Arrisque! 
O amor não é para covardes. Quem fica a noite em casa sozinho, só terá que decidir que pizza pedir. E o único risco será o de engordar. 

23 - Tenha uma vida espiritual. 
Conversar com Deus é o máximo, especialmente para agradecer. Reze antes de dormir. Faz bem ao sono e a alma. Oração e meditação são fontes de inspiração.

24 - Muita Paz, Harmonia e Amor... sempre!





terça-feira, 25 de agosto de 2015

7 dicas para você se libertar da escravidão mental

“O maior inimigo que você precisa enfrentar é você mesmo. Se não há inimigos internos, os externos são inofensivos” - Les Brown

Essas limitações levam muitos a sofrerem da síndrome do bebê elefante. A história nos conta como elefantes são treinados. Quando um elefante está vivendo em cativeiro, ainda bebê, ele é preso a uma árvore por uma corrente. O elefantinho tenta romper com a corrente, mas não é forte o suficiente para isso. Ele tenta milhares de vezes até perceber que não funciona, então ele desiste pelo resto da sua existência.
Depois, quando o elefante cresce, ele tem a força para romper com as correntes e se libertar. No entanto, as experiências do passado fizeram com que ele acreditasse que se libertar é impossível. Esse animal poderoso não confia mais nas suas habilidades por causa do passado.

“A mente é uma força poderosa. Pode nos escravizar ou nos empoderar. Pode nos jogar em mistérios profundos ou em êxtase. Aprenda a usar com sabedoria” - David Cushchieri

Seres humanos são parecidos com os elefantes, exceto por um coisa: nós podemos escolher não aceitar os falsos limites impostos pelos outros no passado.
Aqui, sete dicas para quebrar as correntes que mantêm você preso:

1 - Acredite em si

Você precisa acreditar em si mesmo. Sempre pense e sonhe grande. Foque nos seus pontos positivos e trabalhe para desenvolver suas falhas. Não se compare aos outros e não permita que as circunstâncias sejam capazes de ditar o que você é capaz de alcançar.

2. Trabalhe duro

Faça o que você pode. Não perca tempo se vitimizando. Responsabilize-se por quem você é. Pare de sentir como se você tivesse perdido. Na vida, nada é entregue de mãos beijadas. Se você quer algo, deve ir buscar sozinho. Nada que vale a pena ter vem fácil.

3. Seja positivo

Transforme o negativo em positivo e faça disso uma experiência de crescimento. Não procure pela opinião dos outros sobre você ou leve as coisas pelo lado pessoal. Não alimente emoções tóxicas. Isso só vai colocar você para trás. Permita adicionar gasolina ao fogo. Veja o seu futuro e mantenha o foco.

4. Nunca desista

Seja confiante. Pergunte o que você quer. Proponha no seu coração e lute pelos seus sonhos. Quantas vezes você vai tentar antes de decidir desistir? Você deve proteger seus sonhos. Eu tento todas as portas até a exaustão. Ainda assim, não desisto. Uma vez que existe vontade, sempre há um caminho e estou determinada a encontrá-lo.

“Você tem apenas três escolhas na vida: desistir, insistir ou dar tudo que você tem” - autor desconhecido.

5. Seja paciente 

Para tudo há um tempo e um lugar. O tempo de espera pode ser difícil, mas é importante que a dúvida e o medo não atrapalhem.
Não importa a dimensão do talento ou esforço, certas coisas demoram.

“Você não pode ter um bebê em um mês engravidando nove mulheres” - Warren Buffett.

6. Tenha uma rede de apoio forte

Você não pode fazer sozinho. Alguns dias serão demais para você e ajuda será necessária.

“Cerque-se de sonhadores e realizadores, otimistas e realistas, mas, antes de tudo, esteja ao lado daqueles que enxergam grandeza dentro de você”, Edmund Lee

7. Tenha fé que tudo dará certo

Algumas situações estarão fora do seu controle. Eu confio que Deus me ajudará nesses momentos difíceis e que isso me dará paz mesmo quando as coisas não vão do jeito que eu quero.

“Fé é como um radar que vê através da neblina” - Corrie Ten Boom


O estágio mais triste a que uma pessoa pode chegar é a escravidão mental. Elas já desistiram. Todos os dias eu aconselho indivíduos e desejo que elas acreditem em si, mas eu não consigo. Eles terão que remover as algemas por si mesmos. Essa é a sua vida! Não deixe que qualquer outra pessoa escrever a sua história. Pegue de volta a caneta e escreva um grande final!

“Ninguém pode destruir ferro além da própria ferrugem. Assim como ninguém pode destruir o outro mais que ele mesmo” - Ratan Tata



Fonte:  http://www.administradores.com.br/artigos/cotidiano/7-maneiras-de-se-libertar-da-sua-escravidao-mental/89722/

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Durante a nossa vida causamos...

Durante a nossa vida causamos transtornos na vida de muitas pessoas, porque somos imperfeitos. Nas esquinas da vida, pronunciamos palavras inadequadas, falamos sem necessidade, incomodamos. Nas relações mais próximas, agredimos sem intenção ou intencionalmente. Mas agredimos.
Não respeitamos o tempo do outro, a história do outro. Parece que o mundo gira em torno dos nossos desejos e o outro é apenas um detalhe. E, assim, vamos causando transtornos.

Esses transtornos tantos mostram que não estamos prontos, mas em construção. Tijolo a tijolo, o templo da nossa história vai ganhando forma.

O outro também está em construção e também causa transtornos. E, às vezes, um tijolo cai e nos machuca. Outras vezes, é o cal ou o cimento que suja nosso rosto. E quando não é um, é outro. E o tempo todo nós temos que nos limpar e cuidar das feridas, assim como os outros que convivem conosco também têm de fazer.

Os erros dos outros, os meus erros. Os meus erros, os erros dos outros.
Esta é uma conclusão essencial: todas as pessoas erram. A partir dessa conclusão, chegamos a uma necessidade humana e cristã: o perdão.
Perdoar é cuidar das feridas e sujeiras. É compreender que os transtornos são muitas vezes involuntários. Que os erros dos outros são semelhantes aos meus erros e que, como caminhantes de uma jornada, é preciso olhar adiante. Se nos preocupamos com o que passou, com a poeira, com o tijolo caído, o horizonte deixará de ser contemplado. E será um desperdício.

O convite que faço é que você experimente a beleza do perdão. É um banho na alma! Deixa leve! Se eu errei, se eu o magoei, se eu o julguei mal, desculpe-me por todos esses transtornos… Estou em construção!

Gabriel Chalita


sexta-feira, 21 de agosto de 2015

6 atitudes para se tornar um profissional mais confiante

Muitos profissionais se perguntam como transmitir mais confiança aos colegas de trabalho Afinal, acreditar em si mesmo é um dos princípios básicos para ter sucesso na carreira, além de ser o primeiro passo para que os outros também deem credibilidade a você. 
Pensando nisso, separamos a seguir 6 atitudes que podem desenvolver a sua autoconfiança no ambiente profissional. Confira abaixo: 
1 - Não se apoie em desculpas
Saiba assumir os seus próprios erros e não tente se escondê-los atrás de desculpas. Não tenha medo de admitir as suas falhas e procure identificar quais pontos você precisa desenvolver para melhorar. 
2 - Arrisque
Pessoas confiantes se propõem a aceitar novos desafios, pois acreditam que com isso poderão se desenvolver como profissional, aprendendo algo novo. Não fique receoso em sair da sua zona de conforto, pois só assim você poderá se aprimorar. 
3 - Tenha atitude
Procure resolver as coisas no momento oportuno e evite adiar as tarefas para depois. Se você consegue realizar algo em determinado momento, para que adiar? Elabore um planejamento para facilitar a sua organização, listando as atividades que merecem mais atenção. 
4 - Não se deixe levar pelos outros
Embora você deva saber ouvir os seus colegas de trabalho e considerar a opinião deles, tenha em mente que nem sempre eles podem estar corretos. Caso alguém lhe forneça um feedback negativo sobre determinada tarefa cuja performance você considera boa, não se deixe levar por esse comentário. Acredite no seu potencial. 
5 - Não participe de fofocas
Um profissional confiante não mantém o foco na vida dos seus colegas de trabalho e sim no seu próprio desempenho. Evite aqueles grupos que fofocam constantemente e dê preferência às conversas mais sinceras. 
6 - Não crie competições com os seus colegas
Lembre-se de que para um bom trabalho em equipe, os funcionários não devem competir entre si e sim caminharem juntos, ajudando uns aos outros. Criar competições com os outros é uma atitude desnecessária que demonstra insegurança. Ao invés disso, procure sempre melhorar sua própria performance a cada dia, aprendendo com os seus erros.

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Você é realmente proativo?

João Xavier

Se perguntarem a você em um entrevista quais são suas três principais qualidades, qual seria sua resposta? Muito provavelmente a pró-atividade estaria entre elas, esta é a que mais escuto nas entrevistas que faço. 

Mas afinal, o que é ser proativo? Acredito que haja um descolamento entre o significado formal da palavra e o que estamos entendo na prática. De acordo com os dicionários Aurélio e Houaiss, proativo é aquele que antecipa futuros problemas, mudanças ou necessidades; que age antes; que antecipa – portanto, proativo é aquele que previne. 

Acontece que as pessoas estão usando o termo proativo para definir aquele que age rapidamente ou que está sempre disposto, de prontidão - alerta. Esta compreensão popular é perigosa, pois pode descrever ou passar uma imagem para o recrutador de uma pessoa impulsiva ou estabanada, que age primeiro para depois pensar nas consequências. 

Diante disso, a pró-atividade pode ser uma qualidade ou um defeito. Se utilizada com domínio do que se faz e do que se almeja alcançar, é uma atitude inerente às pessoas que buscam ser eficazes. Mas quando utilizada fora de contexto ou sem um objetivo específico, pode não trazer o resultado esperado. 

Para o bom uso da pró-atividade, tenha em mente duas coisas: 

1) Ninguém consegue ajudar quem não quer ser ajudado. Quando agimos pró-ativamente em favor de alguém que não quer ajuda (seja por orgulho, ignorância ou mesmo por não querer atrapalhar), nossa ação acaba por prejudicar ao invés de ajudar. 

2) Concentre-se no objetivo final. Para não errar, analise sempre suas (pró) atividades sob o ponto de vista do alcance da meta final – se eu fizer isso, vai nos deixar mais próximos da meta? 

Portanto, a partir de hoje, quando disser que é proativo, acrescente: no sentido de estar atento para antecipação de problemas, de modo a preveni-los ou solucioná-los com maior rapidez. 



Fonte: ttp://www.ricardoxavier.com.br/index.php?acao=reportagem&subacao=ler&categoria=6&iarea=2&i=879