sexta-feira, 22 de julho de 2016

8 coisas que profissionais extraordinários dizem todos os dias

Um profissional extraordinário revoluciona o modo como as coisas acontecem no ambiente de trabalho. Essa mudança começa a partir da atitude mais simples: a fala


Algumas expressões simples podem modificar a sua relação com equipe e empresa em geral. Usando as palavras certas você pode buscar novas soluções para problemas antigos, fazer a diferença no trabalho e desenvolver as suas ideias. 

Quer fazer uma enorme diferença no dia alguém? Confira algumas coisas que você deve dizer todos os dias aos seus empregados, colegas, familiares e amigos.

1. "A minha ideia é essa, alguém sugere algo diferente?"

Talvez você esteja no comando, mas isso não significa que é o mais inteligente e perspicaz na equipe. Para desenvolver bons projetos, o trabalho em equipe é essencial. Você precisa justificar suas decisões com lógica e não com autoridade. Faça com que todos compreendam os processos para que a ideia seja trabalhada em conjunto.


2. "Eu estava errado"

Errar é humano, e faz parte do processo de amadurecimento profissional. Quando você está errado, não sinta vergonha dos seus colegas, apenas diga que você estava errado e assuma as consequências deste equívoco. Você não vai perder o respeito. Ao contrário, você vai aumentar o seu profissionalismo e credibilidade.


3. "Isso foi incrível"
Saiba fazer os elogios certos no momento adequado. Essas palavras  aumentam a motivação e dedicação  dos profissionais. Por isso, não deixe de fazer um elogio quando necessário.


4. "Obrigado"

Dizer as palavras básicas da boa educação nunca é demais. Seja educado com todas as pessoas do seu ambiente de trabalho. Isso vai mostrar que além de profissional, você também tem respeito pelos outros.


5. "Você pode me ajudar?"

Quando você precisar de ajuda, independentemente do tipo de auxílio, basta dizer com sinceridade e humildade, "você pode me ajudar?". Isso vai mostrar vulnerabilidade, respeito e disposição para ouvir - o que, aliás, são todas as qualidades de um grande líder. E são todas as qualidades de um grande amigo.


6. "Me desculpe"

Todos nós cometemos erros, então precisamos pedir desculpas por palavras, ações, omissões e todas as vezes que falhamos no trabalho. Diga que você está arrependido, e assuma as responsabilidades pelo erro cometido.


7. "Você pode me ensinar?"

Conselho é temporário, o conhecimento é para sempre. Quando você pede para alguém ensinar ou mostrar algo, várias coisas acontecem. Primeiro você mostra que respeita a pessoa que te ensina. Além disso, revela também que confia em sua experiência, habilidade e conhecimento e a partir desta experiência você começa a avaliar melhor o valor do aprendizado.


8. "Posso ajudar?"

Muitas pessoas acreditam que pedir ajuda é interpretado como um sinal de fraqueza. Então, a grande maioria hesita em pedir ajuda. Mas a verdade é que todos nós precisamos de ajuda. Então, a ideia é arregaçar as mangas e ajudar quem precisa.


quinta-feira, 21 de julho de 2016

Comportamento?: 7 erros que matam o seu poder de influência profissional

Em muitos momentos da vida profissional, o resultado final de um projeto ou de uma tarefa depende da ação de várias pessoas. A falta de engajamento de um funcionário pode colocar todo o esforço em equipe a perder.

É neste momento que, mesmo sem ser chefe, o poder de influência vai fazer toda a diferença. O problema é que muitas pessoas, na tentativa de influenciar seus pares, acabam cometendo erros que têm o efeito contrário: criam ainda mais conflitos profissionais.
Confira quais são os equívocos e as atitudes recomendadas por Rubens Pimentel Neto, sócio da Ynner Treinamentos, para reverter o cenário:
1 Usar poder inexistente
Uma tática comum para influenciar uma pessoa é apostar no nome de alguém poderoso. Não é mais você quem está pedindo o relatório, é o diretor geral, é o presidente, é aquele cliente temido por todos.
“A pessoa acaba usando um poder que não existe”, diz Neto. Essa estratégia, diz ele, é bem sucedida por tempo limitado. “Até o outro perceber e usar como antídoto o nome de uma terceira pessoa”, diz o sócio da Ynner.
2 Encarar o outro como inimigo
Se o atraso no trabalho de uma pessoa vai prejudicar o resultado de todos, não é difícil imaginá-la como “inimiga”. E para piorar o cenário, ela não tem a menor obrigação de colaborar com você ou com a sua demanda e, mesmo assim você precisa dela para cumprir a meta.
De acordo com Neto, o viés negativo é o caminho mais rápido para criar conflitos. “É melhor ver o outro como aliado em potencial e não como inimigo”, diz.
3 Não ser objetivo na comunicação
Usar o jargão técnico da sua área de atuação na hora comunicar as prioridades do projeto para a equipe de outro departamento é um tiro no pé. “Muitas vezes a forma com que a pessoa aborda o tema pode não deixar claro qual é a importância daquela atividade”, diz Neto.
Segundo ele, há que se fazer ajustes para que todos entendam. Da mesma forma, dizer que tudo é prioritário, tudo é urgente, na tentativa de forçar o rápido engajamento, pode ter o efeito inverso. Objetivos e prioridades devem ser definidos claramente e a distinção entre o que seria ideal conseguir e o que é absolutamente necessário também.
4 Empatia zero
Não levar em conta a motivação, os interesses, os comportamentos e as possíveis reações do outro compromete o seu poder de influência. De acordo com Neto, a falta de empatia colabora para um clima de desconfiança.
A necessidade de influenciar alguém passa necessariamente pela compreensão do universo desta pessoa, segundo o especialista. É isso que servirá de base na hora de se preparar para fazer uma abordagem.
5 Não cuidar da própria reputação
Como cobrar atitudes dos outros quando as suas não são as mais adequadas? Nunca atender às solicitações dos colegas, ficar de mau humor quando alguém pede uma informação ou faz uma pergunta são comportamentos que levam ao isolamento, diz Neto.
6 Só pedir sem oferecer nada em troca
“Se a moeda de troca para a pessoa é a disponibilidade, mas eu nunca estou disponível, naturalmente vou ter dificuldade em conseguir uma colaboração”, diz Neto. Identificar a moeda de troca é a regra de ouro na hora de influenciar.
“Saber que tipo de moeda de troca o outro valoriza é o caminho mais eficaz para conseguir atingir os resultados que precisa”, explica o especialista.
7 Não investir no relacionamento interpessoal
O egoísmo é o vilão do relacionamento interpessoal. Usar o estilo de comunicação sem pensar nas preferências do outro é um dos erros de quem não desenvolve um comportamento colaborativo.
Há os que gostam de entender o sentido do trabalho e aqueles que querem sair logo executando algo. “Entender os diferentes estilos é melhor a forma de ajustar sua comunicação e evitar inseguranças e resistência”, diz Neto.
Fonte: Exame

terça-feira, 19 de julho de 2016

Consultor da Disney mostra como encantar clientes em 7 passos

Mike Donnelly ensina como aplicar a magia dos parques de Orlando no dia a dia das empresas
Mike Donnelly, consultor do Disney Institute, traz 25 anos de experiência no Walt Disney Word e mostra como aplicar a magia e o encantamento dos parques de Orlando no dia a dia das empresas. Segundo Donnelly, o encantamento tem a ver com a conexão emocional criada entre o negócio e o cliente – e isso pode trazer mais retornos financeiros para a empresa do que imaginam os gestores. Ele esteve em Curitiba (PR) para um encontro com empresários paranaenses, na última quarta-feira, 30, na Universidade Positivo (UP).

O consultor americano explica que todo o processo de encantamento começa dentro da organização. “Equipe feliz se traduz em clientes felizes”, diz. Mas isso não é nenhum segredo. Aliás, todas as dicas de Donnelly parecem muito simples e fáceis de serem aplicadas nas empresas. Mas não são. “Mais de 50% das reclamações dos clientes em SACs e redes sociais são relacionadas ao atendimento”, afirma a coordenadora do Laboratório de Serviços da Escola de Comunicação e Negócios da UP, Carolina Parolin.

Então, por que 10 em cada 10 pessoas que vão à Disney ficam satisfeitas e, mais que isso, encantadas? Donnelly conta que 7 a cada 10 pessoas que estão, neste momento, num parque da Disney, já estiveram lá antes. Para o consultor, o processo começa na liderança e depende muito da gestão de pessoas na organização. Segundo ele, o encantamento pode ser resumido em sete passos:

1 – Cadeia de Lealdade – desenvolvida na Escola de Negócios de Harvard e implantada no Instituto Disney, a Cadeia de Lealdade estuda alguns processos que devem ser seguidos na seguinte ordem: qualidade no serviço interno (cultura organizacional); satisfação dos funcionários; retenção da equipe; produtividade; qualidade do serviço externo; satisfação dos clientes; valor superior ao cliente; receita, crescimento e rentabilidade; valor aos acionistas. Essa cadeia deve ser priorizada exatamente nessa ordem. “Se o lucro for priorizado sobre a satisfação dos funcionários ou dos clientes, a cadeia é quebrada”, afirma Donnelly.

2 – O crachá é obrigatório – todos os funcionários da Disney possuem um crachá com o nome (em letras grandes) e a cidade de onde veio. Isso, segundo Donnelly, é uma forma de gerar uma conexão emocional com o público. “Quanto mais informações pessoais o crachá trouxer, mais conexões pode gerar”, diz.

3 – O poder da história – a história da empresa deve ser contada, pois ela é a principal conexão emocional com todos os públicos, internos e externos. Como a organização foi criada? Quais as dificuldades que enfrentou? Por que está viva até hoje? Como foi o crescimento? Toda empresa tem fatos curiosos que podem servir de conexões emocionais entre funcionários e também com os clientes.

4 – A liderança reativa é tardia – o líder nunca deve esperar para agir. Segundo o consultor, a atuação sempre reativa dá espaço para suposições – tanto dos clientes, quanto dos funcionários. “O líder deve ser proativo, sem deixar vácuos a serem preenchidos”, ressalta. Isso se consegue com informações claras e respostas prontas para as perguntas que ainda não apareceram.

5 – Cuidado com o declínio gradual – não há nada mais ameaçador para uma empresa que o declínio gradual – aquele que o gestor não percebe. “O ataque rápido e fulminante pode acabar com uma empresa, mas o declínio gradual – aquele que leva anos – é lento e dolorido”, afirma o consultor.

6 – Propósito comum – um objetivo comum de toda a empresa deve transcender as tarefas individuais. “Se for necessário parar o que está fazendo ou mudar a rota para atingir o objetivo comum, o funcionário deve estar pronto para fazê-lo”, diz Donnelly. “As pessoas de uma empresa devem caminhar numa mesma direção”, acrescenta.

7 – Comunicação clara do propósito – não basta ter um propósito único e forte na organização (o da Disney, por exemplo, é “fazer pessoas felizes”). Como atingir esse objetivo é o grande desafio das empresas. “O funcionário, muitas vezes, até decorou o que está escrito em letras bonitas no quadro da recepção, mas não faz ideia de como ele pode ajudar a empresa a atingir esse objetivo”, explica Donnelly. É muito importante que os colaboradores tenham certa liberdade e autonomia para isso.

segunda-feira, 18 de julho de 2016

DESMISTIFICANDO O SUCESSO onde fazê-lo mais, melhor e rápido - Antônio Inácio RIBEIRO

Muitos não saem em busca do sucesso, o imaginando próprio dos cantores, atores e outros artistas. Uma minoria, menor ainda se considerarmos só os que fazem sucesso. Outros tantos se julgam incapazes por que o vêem somente nos atletas campeões, sem lembrar que todos somos atletas, pela simples condição de lutantes pela vida. 

Mais são os que o odeiam, por imaginarem os políticos como exemplo, dizendo que de exemplar poucos deles tem algo a mostrar. Em comum todos estes tem a constante exposição na mídia e, por conseguinte a notoriedade de sua imagem, alguns chegando a vendê-la, no grande negócio que é hoje o direito de imagem.Para as pessoas comuns, sem chances de disputar espaço na imprensa, também existe lugar ao sucesso. 

Porque ele não é próprio só dos anteriormente mencionados. Tampouco é exclusivo dos grandes. Na verdade ele é até mais facilmente conseguido nas pequenas coisas, como veremos a seguir. Nestas menores ele é bem mais fácil e rápido, constituindo-se um treinamento ir fazendo-o nas menores, pois o sucesso definitivo será mais duradouro se representar um somatório de vários pequenos sucessos, em distintos setores. Parece que ficou mais ao meu alcance, mas onde fazê-lo?

EM CASA

Isto mesmo! Na sua própria casa. Se você for um pai ou uma mãe, lembre que seus filhos vibram sempre que você conquista alguma coisa. Na verdade torcem para que você consiga e por que você lhes dá mais atenção, eles o imaginam entre seus ídolos. Neste objetivo colabora que se comente sempre nos horários da família reunida, as vitórias conseguidas e se mostre algum indicador para que as entendam melhor. E sempre. Pode ser um tênis novo que o cônjuge comprou com o dinheiro do salário do novo emprego, para cada um dos filhos. Nas pequenas conquistas todos vibrarão e esperarão por outras, que certamente virão, até porque por serem pequenas são mais fáceis de serem obtidas.

NA FAMÍLIA

Agora na linha ascendente e horizontal. Entre seus pais, avós, tios, primos e irmãos. Experimente fazer sucesso junto a eles e vai ver como é fácil fazê-lo. Novamente basta revelar seus pequenos feitos e ele estará conquistado. Facilmente. Com direito a incentivo e ajuda para fazer mais e sempre. Às vezes com torcida e colaboração. Sentindo-se mais seguro, arrisque com o sogro primeiro e depois com a sogra, que no conceito popular é mais difícil de se conquistar. Mas fazendo sucesso na sua casa, já será motivo para ela lhe considerar um ídolo. E aí tudo fica mais fácil.

COM DESCONHECIDOS

Este é mais fácil ainda. Basta dar-lhes atenção. Com este pouco já o conquistarão e lhe darão tratamento especial como imaginariam dar aos de sucesso que eles raramente vêem ao vivo. Treine com os pedestres, com os idosos, com as crianças, com os de funções mais simples e verá quão fácil é conquistar pequenos sucessos. E sua imagem ficará marcada para sempre. Teste fazê-lo entre estes e verá como será facilmente reconhecido por eles sempre. Tudo por pequenas coisas. Recebidas como se fossem grandes feitos.

COM OS AMIGOS

Novamente covardia. Basta tê-los para sê-lo. Fazer sucesso entre os amigos é fácil. Apenas mantenha-se fiel a eles, não os esquecendo nos momentos de vitórias, glórias e alegrias. Informe-os, pois assim eles tomarão parte nas comemorações e farão você sentir-se com ainda mais sucesso. Seus pequenos sucessos com estes, servirão ainda para você conquistar novos amigos. E como tal, novos clientes. Que trarão mais motivos de comemorações, profissionais ou não.

NO TRABALHO

Começou a ficar mais difícil. Mas lembre que nele você é pago para fazer sucesso, o que certamente aumenta sua motivação e suas chances. Até porque quanto mais sucesso você fizer nele, mais o pagarão. Para conquistá-lo lembre somente de fazer melhor o que você faz sempre. Tentando melhorar estará quebrando a rotina enfadonha de fazer tudo sempre igual. Esmerando-se terá mais orgulho de sua própria produção. Seu trabalho será notado e o resultado chamará a atenção, ajudando-o a fazer mais sucesso. E ganhar mais.

NO ESPORTE

Só não faz quem não pratica, por que nos esportes amadores todos fazem mais sucesso. Isto mesmo, porque é mais fácil. E vale para qualquer esporte, diferentemente daquele que você aprecia mais, onde somente poucos podem se sobressair profissionalmente. Reveze com seus amigos o gosto doce do sucesso, alternando com eles os que fazem sucesso no seu grupo, se possível aumentando-o. O grupo e o sucesso.

NO CLUBE

Se for onde você faz sucesso no esporte, ficou mais fácil ainda. Se não for, aqui é o lugar certo para praticá-lo. Lembre que você precisa buscar novos lugares para fazer sucesso. Para que ele seja mais difundido e encontre outras fontes geradores de clientes. Só evite fazer sucesso por beber demais por que neste caso seu sucesso só irá durar enquanto permanecer o porre. E quando este terminar além de não ter ninguém para aplaudi-lo, alguns que o cercam talvez tenham arranhado a imagem que de você fazem.

COM O SEXO OPOSTO

Cuidado. Novamente poderá ser fácil conquistá-lo e difícil de se livrá-lo. Bem mais do que o porre. E muitas vezes com efeitos nocivos bem mais duradouros. No primeiro tempo conquiste todas, para quando voltar para que no segundo, pratique o manter a conquista da preferida. A menos que você tenha o domínio de conquistar sem misturar as estações e fazer do seu charme e capacidade, uma arma para conquistar pessoas, não se preocupando que sejam do sexo oposto, ou sem fazer sexo, já que neste o sucesso é diferente.

NO EDIFÍCIO

Pode ser na sua rua, no seu bairro ou na sua cidade se ela for pequena. O que importa é que nela ou nele saibam que você existe. Não pelas encrencas que arruma, mas pelos seus feitos e conquistas. Conquiste-os facilmente apenas reservando um pequeno tempo de sua semana para eles. Que tal um pedaço do fim de semana? Melhores se forem em benefício da coletividade, pois desta forma você terá um contingente que o prestigiará nas suas outras atividades. Principalmente nas profissionais.

NA IGREJA

Ou naquilo, ou naquele lugar em que você acredita. Por que lá você se sentirá bem e todos estarão torcendo pelo seu sucesso. Muitos o ajudarão e este muito lhe abrirá portas, que se não são a chave do sucesso, pelo menos se abem com ela. Não se preocupe muito em fazê-lo aqui, pois com todo o sucesso que conquistar, pelos lugares por onde passa, o daqui estará garantido. Será conseqüente.

NA VIDA

Uma vida inteira de sucesso é difícil. Fazer sucesso na vida, nem tanto. Basta que você se dedique a ele sem desperdícios. Importante é fazer sucesso em vida, porque muitos só o conseguem depois de mortos. Talvez por não o terem divulgado, permitindo que a maioria dele apenas se inteire tardiamente. Aproveite que hoje são mais ágeis e fáceis os meios de comunicação, além de bem mais acessíveis e divulgue seu sucesso em vida para poder desfrutá-lo melhor, permitindo que as ruas tenham nomes mais curtos e fáceis de se gravar.

Antônio Inácio RIBEIRO - Doutorando em Marketing pela ULR / Espanha, MBA em Marketing pelo ISAE / FGV, Especialista em Marketing pela PUC / PR, Pós-graduado em Marketing pela ADVB / SP, Administrador pela Universidade Mackenzie / SP, Autor de 22 livros, além de 210 artigos e colunas, Ministrador de 170 cursos e palestras.
ribeiro@odontex.com.br

sexta-feira, 15 de julho de 2016

22 coisas que as pessoas felizes fazem

A felicidade não vem necessariamente do sucesso e do dinheiro, como a maioria diz. A felicidade está presente nas pessoas que escolhem a felicidade como um estilo de vida e se esforçam para irradiar esse sentimento. E essas pessoas tendem a conseguir mais oportunidades, não só na escola ou mercado de trabalho, mas na própria vida em si, pois elas são gentis e fáceis de conviver.

Confira abaixo as 22 coisas que as pessoas felizes fazem e aprenda você também a ser uma pessoa mais alegre.

1. Não guardar ressentimentos
As pessoas felizes se esforçam para incorporar o conceito de esquecer e perdoar. Elas se colocam no lugar das outras pessoas e entendem o que aconteceu ao contrário de gritar e falar mal.

2. Tratar todos com gentileza
As pessoas felizes são gentis com todas as pessoas ao seu redor. Isso torna a convivência com elas imensamente mais fácil, pois são pessoas agradáveis e fáceis de interagir.

3. Ver problemas como desafios
Encarar problemas como se eles fossem desafios é uma maneira não apenas de exercitar a felicidade, mas também de se superar como pessoa.

4. Ser grato pelo que se tem
Ser grato por tudo aquilo que você já tem é uma das maiores lições que as pessoas felizes podem te dar. Nós vivemos em uma sociedade onde sempre queremos mais e, muitas vezes, não paramos para apreciar o que já foi conquistado.

5. Sonhar
Parece fácil, mas 
sonhar nem sempre é um hábito de todas as pessoas. As pessoas felizes estão acostumadas a idealizar o lugar onde elas querem chegar e isso é uma forma de manter a esperança presente.

6. Não se preocupar com coisas pequenas
As pessoas felizes se perguntam se um determinado problema ainda vai ser importante daqui a um ano. Elas percebem que a vida é muito curta e que não há tempo para se preocupar com coisas mesquinhas.

7. Falar bem dos outros
É fácil desejar que os outros falem bem de nós. E se queremos que isso aconteça, por que não falar coisas legais sobre as outras pessoas também?

8. Não inventar desculpas
As pessoas felizes não inventam desculpas. Pelo contrário, elas 
assumem os seus erros e se esforçam para não cometê-los mais uma vez, tornando-se sempre pessoas melhores.

9. Viver o presente
As pessoas felizes se preocupam com o presente, ou seja, com o que está diante delas ao invés de remoer o passado ou temer o futuro. Dessa forma, são capazes de aproveitar cada oportunidade que lhes é dada.

10. Acordar a mesma hora todos os dias
Acordar no mesmo horário todos os dias é uma forma de 
regularizar a sua rotina e o seu organismo propriamente dito. As pessoas felizes estão acostumadas a acordar cedo, de maneira a aproveitar melhor o seu dia.

11. Evitar comparações
Evitar comparações é o resultado da percepção de que todas as pessoas são diferentes e que não existe comparação real entre indivíduos. Parar de querer se encaixar em determinados padrões é um segredo das pessoas felizes.

12. Escolher bem as amizades
As pessoas felizes tendem a ter amigos que compartilham esse sentimento e são sempre otimistas, pois eles sabem a importância de selecionar as suas companhias.

13. Não procurar aprovação
Não procurar aprovação é perceber que a única pessoa que realmente precisa te aprovar é você mesmo. Pessoas felizes seguem os seus instintos sem se importar com o que os outros vão pensar deles.

14. Escutar
Às vezes é mais importante escutar do que falar. As pessoas felizes demonstram interesse pelos problemas e alegrias dos outros e se disponibilizam para ouvi-los quando necessário.

15. Ser sociável
As pessoas felizes estão sempre rodeadas de pessoas alegres e positivas. Eles estão sempre conhecendo amigos novos e mantendo relações sociais.

16. Meditar
Meditar é uma forma de encontrar a sua paz interior, além de se conhecer. Pessoas felizes sabem como silenciar as suas mentes sempre que precisam se acalmar por algum motivo.

17. Comer bem
Você é o que você come, e as pessoas felizes sabem disso. Elas estão sempre ingerindo alimentos que ajudam no funcionamento do corpo e que liberam hormônios que mantém a sua saúde e estado emocional.

18. Exercitar-se
Assim como a comida saudável, os exercícios são uma parte importante da sua saúde. Além disse, o exercício físico libera hormônios que dão a sensação de alegria e prazer.

19. Simplicidade
Pessoas felizes são simples. Elas não se importam com casas gigantes e carros muito rápidos, pois elas percebem que o materialismo é superficial.

20. Dizer a verdade
Pessoas felizes sabem a importância da verdade. Mentir pode ser a 
causa do estresse, além de fazer com que você deixe de ser uma pessoa confiável. Dizer sempre a verdade pode melhorar a sua saúde mental.

21. Manter o controle
Pessoas felizes sabem como manter o controle em situações difíceis, assim como sabem policiar as suas emoções em determinadas situações. Estar em controle da sua própria vida traz sentimentos positivos.

22. Aceitar o que não pode ser mudado
Nem tudo pode ser mudado. As pessoas felizes sabem que possuem defeitos e que algumas coisas simplesmente fazem parte de nós. Ao invés de se obcecar com as coisas que você não gosta, aceite. Isso vai fazer com que você se livre do estresse e tornar você uma pessoa mais confiante e alegre.


quarta-feira, 13 de julho de 2016

6 dicas para influenciar pessoas - Talita Abrantes

Seja objetivo e defina claramente onde fica a linha de chegada

Independente do setor ou da função, a rotina de todo profissional é permeada por relacionamentos e negociações. Nestes momentos, é essencial saber comunicar bem o que você quer e, principalmente, ter argumentos claros para vender seu ponto de vista.

E no dia a dia, quais as dicas para transmitir a ideia de que vale a pena topas suas ideias ou confiar nas suas percepções. No livro "As 100 melhores ideias para ter o que se quer sem pedir", o autor americano Richard Templar lista algumas ideias básicas sobre como influenciar pessoas sem manipulá-las:

Defina seus objetivos com precisão

As pessoas só seguem quem tem certeza do caminho e, principalmente, do lugar onde fica a linha da chegada. Quem negocia algo hoje e muda de opinião na manhã seguinte perde a credibilidade e a confiança aos olhos dos outros.

Invista em equilíbrio emocional

Agora, não basta ser firme em suas opiniões e deixar no banco de reservas o equilíbrio emocional. Segundo o especialista, autocontrole deve ser a regra nas negociações formais e informais. "O que atrapalha a objetividade de todas as interações é a emoção. A emoção negativa para ser mais específico", diz. Jogar indiretas, fazer chantagem emocional e outros sinais de falta de noção de relacionamentos também devem ser limados da sua conduta. 
Saiba mais

Não puxe saco. Não seja indiferente

A maneira como você se relaciona com as pessoas que estão ao seu redor pode ser decisiva para como elas irão reagir às suas ideias. Por isso (e não só por isso, claro), é essencial se importar, de verdade, com elas. A medida é clara: importe-se com as pessoas (de verdade), agradeça quando for merecido, elogie sempre que necessário, seja leal e nunca (nunca mesmo) fale mal pelas costas.

A sua ideia não é a única verdade possível

É essencial ter em mente que, por mais apaixonante que ela seja, a sua visão sobre o mundo não é uma verdade absoluta. Por isso, esteja aberto para ouvir outros pontos de vista. E aceitá-los.

Lance hipóteses

Nesta toada, uma dica para não parecer agressivo na sua abordagem e sinalizar seus interesses é lançar hipóteses, segundo o autor. Exemplos: "Se no futuro você precisar de mais um membro da diretoria, seria um prazer me envolver mais" ou "Se a Marina for transferida para o escritório de outra cidade, posso me candidatar à vaga dela?".

Planeje-se

Na hora de mostrar suas ideias ou fazer um pedido, o planejamento deve ser uma palavra de ordem. Segundo o autor, o pedido deve ser feito do jeito certo e na hora certa. E isso demanda tempo e preparo. Se alguma coisa sair do script, pense a respeito. Mas, principalmente, não entregue os pontos apenas para evitar conflitos. 
 


Fonte: Você SA

segunda-feira, 11 de julho de 2016

É tempo de atitude - Robert Wong

Crise é transformação. Encare-a como um desafio e, com atitude proativa, abra oportunidade para o novo.

É fato que estamos vivenciando um momento de crise. Não se ouve falar e não se vive outra coisa. No entanto, a crise pode ser devastadora se vista como um problema. 

Contamina o dia-a-dia, o pensamento, a esperança, a atitude das pessoas nelas envolvidas. E, por fim, a realidade que está sendo criada a cada instante. Mas, então, como encarar esse momento?

Vejamos. Até pouco tempo vivíamos um clima de euforia, com bolsas em alta, consumo desenfreado e capital abundante. Era de se esperar que as coisas fossem dar uma reviravolta, pois o pêndulo chegou ao seu ponto mais alto, natural e esperado que ele fosse retornar para o outro extremo. Em um movimento natural pela procura do próprio equilíbrio.

A natureza nos ensina esta valiosa lição, pois ela sempre anseia o estado de equilíbrio. Então, não será este um momento de transformação para a busca do equilíbrio? Não será isso um desafio para buscarmos novas oportunidades e criarmos uma nova realidade?

A diferença está na atitude. 

Atitude é a reação ou postura que adotamos frente aos acontecimentos ou situações. Se enfrentarmos os desafios de maneira negativa, criaremos um problema real.

Problemas são resultados de desafios em que assumimos uma postura reativa e não proativa. Caso você encare o desafio com atitude positiva, você cria uma oportunidade.

Os desafios, em sua maioria, fogem ao nosso controle. No entanto, a atitude está sob o nosso controle. Há um ditado que diz o seguinte: “Existe uma pequena diferença entre as pessoas, mas essa pequena diferença faz uma grande diferença. A pequena diferença chama-se atitude. A grande diferença é se ela é negativa ou positiva!”

Como a saúde, a qual só damos valor geralmente quando a perdemos. Zele, invista e valorize o seu emprego – enquanto você o tem. É sempre bom relembrar que a melhor época para cuidar da sua salubridade é quando você está com saúde.

Igualmente, a melhor época de cuidar da sua empregabilidade é quando você tem um emprego. 

Inclusive há uma diferença imensa entre emprego e empregabilidade, pois procurar emprego é você reagir perante o que o mercado tem de melhor para lhe oferecer, enquanto que trabalhar a sua empregabilidade é você investir em si próprio e assim mostrar ao mercado o que você tem de melhor para oferecer. 

Você passa de uma postura reativa para uma postura proativa. Que diferença!

Encare o momento como um desafio. 

É tempo de atitude. 

Aproveite este período de para investir em si próprio, retomar seus contatos e trabalhar o seu autoconhecimento que vai gerar a autoconfiança, a característica mais essencial para o sucesso. 

Tenha atitude proativa e dê o melhor de si, realizando todo seu potencial e criando oportunidade para o novo.

Robert Wong (autor dos livros “O Sucesso Está no Equilíbrio” e “Super Dicas para Conquistar um Ótimo Emprego” e um dos palestrantes mais inspiradores e requisitados do mercado).


Fonte: http://www.hsm.com.br/